terça-feira, 13 de abril de 2010

INQUIETAÇÃO

Louca inquietação, estranha ansiedade


Apressa-se o relógio, arrebata-se os minutos

Desprende-se os segundos eclipsam-se as horas

Esvazia-se os dias desnorteiam-se os meses

Usurpa-se os anos exturquem-me o tempo

Paira o grito enclausurado no silêncio frívolo

Do tempo estático no relógio acelerado

Saqueiam-se os segundos aos minutos tresmalhados

Em demanda das horas nos dias desaparecidas

E os dias nos meses e os meses nos anos e os anos nos séculos

Tempo intemporal que não te deténs e me apressas na tua ânsia

14 comentários:

  1. Lindo poema...o tempo nos arrasta e se arrasta...adorei.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. O tempo... essa implacável "coisa" ora tão fugazmente benevolente ora, tão prolongadamente rude que a segundo que passa por nós nos deixa de uma forma ou doutra marcas que jamais a poderemos apagar ou tão pouco vir alterar-las.

    Parabéns pelo seu lindo texto assim com, pelo seu mui interessante espaço literário todo ele muito bem recheado com belos e magníficos textos. E por isso, tomei a liberdade de passar a "seguir" você, querida amiga Bel.

    Obgdo pelo seu comentário e sempre que queira visitar o meu "Cantinho" não hesite pois, será sempre muito bem acolhida.

    Mil poéticos beijinhos...

    A-soares (apollo_onze)

    ResponderEliminar
  3. "O tempo não para no porto,não apita na curva,não espera ninguém..."

    Gostei demais!

    Um beijo saudoso!

    Sonia Regina.

    ResponderEliminar
  4. Fabulosa Poetiza Amiga:
    Um Divinal poema de inquietação extraordinário.
    Repleto de maravilha.
    Uma "explosão" poética de deslumbre.
    Parabéns. Adorei.
    Beijinhos de pasmo, amizade e respeito pelo seu fantástico valor e preciosidade poéticas.

    pena

    Admirável!

    ResponderEliminar
  5. Estimada Amiga:
    Um poema maravilhoso feito pelo seu sentir belo e harmonioso.
    Parabéns.
    Beijinhos amigos ao seu encanto em versos fabulosos.
    Com respeito pela sua grandeza de Alma pura.

    pena

    Fantástica!

    ResponderEliminar
  6. BEL...

    Gostei da intensidade do texto!!!
    Mas o tempo não passa. Nós é que passamos pelo tempo!!!

    Beijos
    AL

    ResponderEliminar
  7. O tempo não para mesmo...
    Belíssimo poema. Gostei imenso.
    Bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. E ninguém consegue pará-lo


    ou ...detê-lo

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Olá...!

    Sabes...? O meu blog conta já com um ano...! E para a ocasião escrevi algo que também é para ti... e, de passagem, podes ver que há um selo que podes levar, se assim o quiseres... Pois, como o seu nome indica, serve para "selar" este vínculo que nos uniu neste tempo transcorrido..., isso me encantaria..., e faria completo este festejo e a minha alegria...!
    Ou se não..., ofereço-te uma flor de Ceibo que é a flor do meu país: Argentina.

    Obrigado pela tua presença...!

    Cumprimentos,

    SERGIO.

    ResponderEliminar
  10. Poesia de um acabado sentimentalismo e de uma estética admiráveis!
    SUBLIME!

    ResponderEliminar
  11. Preciosa Amiga Poetiza Fabulosa:
    "...Usurpa-se os anos exturquem-me o tempo
    Paira o grito enclausurado no silêncio frívolo
    Do tempo estático no relógio acelerado
    Saqueiam-se os segundos aos minutos tresmalhados
    Em demanda das horas nos dias desaparecidas..."

    Para quê mais palavras?
    Divinal.
    Bem-Haja, pela simpática visita.
    É uma honra, a sua amizade.
    Abraço amigo de respeito imenso pelo que concebe de maravilhar.
    Com admiração constante e grato pela visita extraordinária no meu blogue.

    pena

    Bem-Haja, excelente amiga.

    ResponderEliminar