segunda-feira, 29 de junho de 2009

A casinha da serra


Corre o riacho devagar
Junto daquela casinha
Quem me dera lá ficar
Nunca estaria sozinha

Com o riacho a cantar
As rochas servindo de leito
Ver trutas e rãs a saltitar
Mas que quadro tão perfeito

A Flor e a Mimosa
Passam de manhãzinha
Seguem a D. Rosa
Em busca de erva fresquinha

Passa mais tarde a apitar
O carro do Sr. Padeiro
Quem quiser tem de acenar
Para comprar pão de centeio

Assim é esta pequena terra
Que fica perto do Gerês
Naquela casinha da serra
Vive gente feliz e cortês

17 comentários:

  1. Lindo cenário, linda a descrição da vida singela e tranquila da gente que vive ao pé da serra, que vive na serra, cujos valores são diferentes dos da gente da cidade e muito mais próximos da natureza, de gente que vive em paz com a vida e consigo mesmo.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Oi, Bel;

    A casinha da serra é feita com troncos e madeira que a serra dá.

    E quando se respeita a natureza, nada da serra nos faltará.

    Lindo este teu poema de Odes às serras qur por vezes alguns oportunistas tão mal tratam.

    bjs, Bel
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  3. Tão simples e tão belo, que até apetece lá estar.

    Lindo poema.

    Beijinhos

    Exploradora

    ResponderEliminar
  4. Oh, Maravilhosa Amiga:
    Tem uma "Alma" poética admirável.
    Que lindo, o que escreveu e o que é.
    Conheço o Gerês. De deslumbrar.
    Há sempre uma arborização intensa para o sonho.
    Excelente. Adorei, amiguinha fantástica e amável. Doce.
    Beijinhos amigos.
    Sempre a estimá-la e a respeitá-la...

    pena

    Bem-Haja, amiguinha doce e linda...sabia?

    ResponderEliminar
  5. Um poema gentil que é uma bela homenagem à gente simples e aos lugares remotos, singelos, onde reina a tranquilidade.

    Bjs

    ResponderEliminar
  6. BEL Saudades...
    Passei e deixo um beijo


    CHEGUEI...

    Cheguei aqui e parei...
    Cheguei aqui e sorri...
    Sorri com muita força...
    Pois sei que aqui sou eu...

    Aqui paro e escuto...
    E sei que escuto o que eu gosto
    E sinto o carinho que me cerca
    E sei que é um querer de verdade...

    Porque aqui...eu estou...eu fico...eu sou!...
    E quando a amizade é de verdade...
    Eu cresço e fico muito maior...

    É por isso...
    Que eu sou pequena...
    Mas muitas vezes...
    Me sinto "grande"-

    Lili Laranjo"Reticências Apenas"

    ResponderEliminar
  7. Um lugar cheio de magia e encantamento onde a natureza e a simplicidade reinam.

    Parabéns pelo blog!

    1 beijo!

    ResponderEliminar
  8. Bel

    Passei no teu blog e deixei poesia .PORQUE...
    senti saudades.
    Mas gostei desta poesia

    Corre o riacho devagar...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  9. Oh, Simpática e Linda Amiga:
    Um riacho de si que fascina e enternece num quadro maravilhoso e imenso.
    Merece, pelo talento majestoso, todo o bem aconchegante e protector de sonho. Quem não gosta...?
    O que escreveu é lindo.
    É uma poetiza de sonho que preenche de forma total por ser de pureza e encanto.
    Quanta ternura e beleza existem em si e no que, genial e criativamente faz de forma poética fabulosa, notável e deslumbrante.
    Linda...!
    OBRIGADO pela sua amizade doce.
    Com respeito imenso e estima gigante.
    Beijinhos amigos de admiração pelo sua meiguice feita em versos admiráveis e pela forma perfeita como escreve.

    pena

    OBRIGADO, pela sua simpática amizade.
    Bem-Haja, amiguinha terna.
    Adorei!

    ResponderEliminar
  10. Haverá?! Há sempre uma deusa perdida
    Nos labirintos da contradição
    Há sempre alguém que usa a palavra amor
    Soprando doce veneno ao coração
    Há sempre alguém que nos diz coisas tontas
    Há sempre alguém que afugenta a Saudade
    Há sempre alguém que nos marca a ferro frio
    Há sempre uma alma ausente da verdade

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  11. Ao meu querer!
    Dias noites, estações esquecidas
    Inventei sonhos para sonhar
    Lavei mágoas, dores perdidas

    Uma árvore toca as águas da lagoa
    O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
    Um Melro negro solta um pio ao acaso
    A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


    Convido-te a ver a Cor da Claridade


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  12. Passei para ver e deixar poesia

    Aconchego

    Poesia...
    Tantas vezes...
    Tão pequenina...
    E que tanto...
    Encerra...
    .....
    Hoje...
    ......
    Sem nada escrever...
    Apenas a pensar...
    Sinto que...
    Apenas a poesia...
    É o meu aconchego...
    .............

    Lili Laranjo

    ResponderEliminar
  13. Ao meu querer!
    Dias noites, estações esquecidas
    Inventei sonhos para sonhar
    Lavei mágoas, dores perdidas

    Uma árvore toca as águas da lagoa
    O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
    Um Melro negro solta um pio ao acaso
    A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


    Convido-te a ver a Cor da Claridade


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  14. BEL...

    Vim desejar bom fim de semana
    ++++++++++

    Sol bonito


    Sol
    Muito sol…
    Calor
    Muito calor…
    E tranquilamente
    Com passos curtos
    Muito curtos…
    Avanço devagarinho
    E entro na água
    Água do mar…

    Mar quente e belo
    Mar que atira…

    Com fúria
    A água
    Para o meu corpo…

    E dentro da água
    Sinto o bater das ondas
    E tranquilamente…

    Deixo-me acarinhar
    E deixo-me embalar
    Pela suavidade
    Do mar…

    Lili laranjo

    ResponderEliminar
  15. Este mar de fresco azul
    Estas pedras sentinelas constantes
    Estas ondas que adormecem nelas
    Vieram do mundo em formas navegantes

    O amargo das uvas verdes
    Cede ao sorriso do astro rei
    O doce invade os sentidos
    E a ternura impõe a sua lei


    Boa semana


    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Maravilhosa Amiga:
    OBRIGADO, doce Amiga Gigante de talento, pela sua imensa amabilidade e simpatia.
    Adorei a visita.
    Bem-Haja.
    Beijinhos amigos de pureza e imenso respeito.
    Sempre a admirá-la

    pena

    MUITO OBRIGADO!

    ResponderEliminar
  17. há sempre um lugar fantástico onde gostamos de nos deixar estar.

    ResponderEliminar